Skip to content Go to main navigation Go to language selector

Pilotos da FAB concluem formação operacional do Gripen

Treinamento na Suécia é essencial para preparar e capacitar oficiais que vão conduzir as novas aeronaves no Brasil.

20210322_astamt01_f7_eko-bras-3_180.jpg
Crédito: Astrid Amtén, Forças Armadas da Suécia

Um grupo de oficiais que vai pilotar os novos caças Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB) concluiu o treinamento na Suécia ao longo de 2021. A atividade é essencial para os profissionais que irão conduzir os aviões, a partir das primeiras entregas em 2022. Eles passaram por formação operacional no Centro de Treinamento do Gripen, na Ala F7, em Såtenäs. A atividade incluiu Treinamento de Conversão e de Prontidão para Combate. A equipe recebeu capacitação e qualificação para 9G na centrífuga, sobrevivência no mar e conversão operacional no Gripen C/D. Ao todo, 53 pilotos e mecânicos do país serão preparados para atuar com a aeronave.

A implementação do Programa Gripen Brasileiro é um processo que exige treinamento de pilotos e mecânicos, além de investimentos em infraestrutura para operação do caça. A FAB já se prepara para receber as primeiras unidades neste ano. Com aviônica e armamentos de última geração, o equipamento é superior às capacidades de qualquer outra aeronave já operada pela corporação nacional.

“O treinamento com a Força Aérea Sueca teve o objetivo de adaptar os pilotos ao sistema e à aeronave e às especificidades do programa, de forma que haja um melhor entendimento daquilo que se propõe tanto do projeto, quanto dos requisitos contratuais que tem guiado esse processo”, explicou o Coronel Marcelo Zampier Bussmann, Comandante do Instituto De Pesquisas e Ensaios Em Voo (IPEV).

Antes do término do treinamento, os pilotos tiveram acesso a documentos técnicos do Gripen E para estudo e passaram diversas simulações de voo. A iniciativa visa a prover a equipe da FAB envolvida no programa de conhecimento para que, assim, domine as capacidades da aeronave e possa, no futuro, atuar com total segurança em linha com as necessidades e demandas da Força.

De volta ao Brasil – Em seu retorno, os pilotos operacionais trabalham na implantação do modelo brasileiro. No país, atuam na preparação para a chegada do simulador de voo e dos equipamentos de suporte à operação na Base Aérea de Anápolis (GO). Eles também respondem por estabelecer as novas doutrinas para formação e manutenção do F-39 Gripen na FAB.

Os pilotos de ensaio, por sua vez, participam ativamente da campanha de ensaios em voo e certificação do caça no Centro de Ensaios em Voo do Gripen (do inglês, Gripen Flight Test Centre – GFTC), em Gavião Peixoto (SP). Essas atividades são feitas em conjunto com pilotos da Saab e da Embraer e objetivam contribuir com o desenvolvimento da aeronave na avaliação operacional para o cumprimento de requisitos estabelecidos no contrato do programa.

“No GFTC, nós acompanhamos as campanhas de ensaio em voo e também participamos de testes. Quando chegarem as aeronaves de produção em série, vamos realizar os voos de recebimento dos caças de produção e os relativos à campanha de avaliação dos aviões”, disse o Major David Escosteguy, piloto de ensaios em voo do IPEV.